CidadesDestaqueIbiporãPolitica

“Ibiporã na Linha do Futuro” busca ampliar parcerias

Com o objetivo de ampliar as possibilidades de qualificação de mão de obra e geração de renda e emprego, a Prefeitura Municipal de Ibiporã, por meio da Secretaria do Trabalho, está prospectando novas parcerias para o projeto “Ibiporã na Linha do Futuro” tanto na esfera pública como na iniciativa privada.

Lançado no início de 2017, o projeto tem o objetivo de promover melhores condições de geração de trabalho e renda no segmento de confecção industrial por meio da qualificação e profissionalização de trabalhadores, para atuarem com excelência no segmento da costura industrial de forma empreendedora, de modo a contribuir para o desenvolvimento local.

Durante o ano, as costureiras participam de uma capacitação gratuita, ministrada pelo Senai-Londrina nos níveis Básico, Intermediário e Avançado. Além da qualificação profissional, em parceria com o Sebrae, o projeto capacita as participantes sobre empreendedorismo. As que desejam continuar se aperfeiçoando, o projeto oferece a oportunidade de se trabalhar por até seis meses em uma incubadora, instalada no Barracão Industrial, para se capitalizarem a fim de adquirir o próprio maquinário. O objetivo é que as costureiras se tornem Microempreendedores Individuais (MEIs), formando células de costura em suas próprias residências para que forneçam os serviços às empresas parceiras do projeto. Conforme a Secretaria do Trabalho, cerca de 80 costureiras capacitadas pelo projeto estão inseridas no mercado de trabalho, atuando como empregadas ou abrindo o próprio negócio.

Recentemente a secretária do Trabalho, Maria Romana, apresentou o projeto na sede do Senai, em Londrina, para os representantes dos municípios de Cambé, Rolândia, Tamarana e Londrina. Na semana passada, a prefeita de Primeiro de Maio, Bruna de Oliveira Casanova, esteve no Centro Tecnológico do Trabalhador de Ibiporã (CTTI). Recebida pela secretária da pasta e o prefeito João Coloniezi, Bruna visitou o laboratório de costura, onde são ministradas as aulas do curso de costura industrial, e o “Barracão Industrial”, no Jardim Casagrande, onde funciona a incubadora de confecção industrial do projeto. “A intenção dos municípios é a de firmar parcerias com empresas privadas para futura instalação de um polo capacitador de mão de obra industrial, visando à profissionalização do trabalhador desse segmento”, explicou Romana.

Já nesta semana, quem esteve conhecendo o projeto foi a presidente da Associação Brasileira da Seda (Abraseda) e diretora da Fiação de Seda Bratac S.A, Renata Amano. Sediada em Londrina, é a única fiação de seda do lado ocidental do planeta e que exporta mais de 90% da sua produção, principalmente para o Japão e a Europa. A ideia é que as costureiras do projeto sejam capacitadas para trabalhar com a seda, matéria-prima sustentável e com alto valor agregado. “Achei o projeto incrível. A estrutura é muito boa e as alunas do projeto saem daqui com todas as habilidades requeridas para atuarem com excelência no segmento. Creio que a relação com o projeto é total, pois seda é sustentabilidade, responsabilidade social, e, sobretudo, qualidade. No chão de fábrica, 80% de nossa mão de obra é feminina, devido à sensibilidade delas em trabalhar com produto extremamente delicado”, revelou Renata.

Fonte: Caroline Vicentini – Núcleo de Comunicação Social – PMI

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close