CidadesDestaqueEducaçãoParaná

Servidores da UEL aprovam greve e suspensão de matrículas; governo do estado não pagou salário de funcionários

Em assembleia na manhã desta quinta-feira (1º), os professores e servidores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) aprovaram a greve e a suspensão de matrículas dos aprovados do Vestibular 2018. Os salários não foram depositados pelo governo do estado nesta quarta-feira (31).

O problema começou na semana passada quando o Secretário da Fazenda informou que, após uma troca no sistema, o depósito de pagamentos para as universidades que não aderiram ao Meta 4 está impossibilitado. Em seguida, a justiça estabeleceu uma multa diária de R$ 500 para os reitores Mauro Baesso, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), e Berenice Jordão, da UEL, pelo descumprimento da ordem judicial, de adesão ao sistema. Diante desse cenário, a UEL optou pelo envio dos documentos para o Meta 4, mas a assessoria do governo estadual informou que há inconsistências nos dados apresentados pela universidade e que os documentos não estão de acordo com o que foi exigido. Sem o depósito dos vencimentos nesta quarta (31), as categorias realizaram uma assembleia nesta manhã (1º) para tomar novas decisões. E por fim, decidiram pela greve e também pela suspensão das matrículas dos novos estudantes.

Até o fechamento desta matéria, a equipe do TarobáNews não conseguiu contato com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Técnico-Administrativos da UEL (Assuel), Adão Brasilino, e com o presidente do Sindicato dos Professores (Sindiprol), Nilson Magagnin.

 

Com informações do Tarobá News

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close