A maternidade é uma das fases mais bonitas e esperadas por inúmeras mulheres. Dentre os atos mais bonitos de uma mãe está o de amamentar o seu filho. Porém, o ato em si não é tão simples quanto parece nos filmes e revistas. É comum que, no primeiro dia após o parto, o leite não desça, e, dependendo do emocional da mãe, esse quadro pode se estender por dois dias ou mais – o que leva as mamães de primeira viagem a oferecerem fórmulas aos recém-nascidos.

Além do cansaço físico e emocional da mãe, os bicos dos seios também podem acabar rachados ou feridos devido à pega incorreta do bebê, e é nesses momentos que muitas mulheres desistem de amamentar – por falta de informação ou até mesmo de motivação. Visando orientar, conscientizar e apoiar as mães sobre a importância do aleitamento materno, algumas Unidades Básicas e Saúde (UBS) de Ibiporã programaram atividades com as lactantes em comemoração ao “Agosto Dourado”.

Uma das ações ocorreu na tarde desta segunda-feira (21) na UBS Dr. Wilson Costa Funfas, na Vila Esperança. Um grupo de nutrizes atendida na unidade de saúde recebeu dicas sobre o manejo do leite materno, benefícios para a mãe e o bebê, amamentação sobre livre demanda, cuidados com as mamas e o ambiente na hora de amamentar, principais doenças que acometem as mamas e mitos e verdades sobre o amamentar. As orientações foram repassadas pela pediatra Edmara Laura Campiolo e as acadêmicas de Medicina da Pontifícia Universidade Católica (PUC), campus Londrina, – Ana Caroline de Lima, Lilian Carolina Fernandes Silva e Lisandra Farias. As estudantes, juntamente com os acadêmicos Henrique Yamamoto e Vanessa Bernardo prepararam uma cartilha sobre amamentação especialmente para o evento.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que a dieta do bebê seja exclusivamente com o leite materno até os seis meses de vida, porque ele oferece todos os nutrientes que a criança necessita. “Os outros leites, além de não fornecerem todas as substâncias que o recém-nascido precisa, podem agredir a mucosa do intestino e gerar intolerância à lactose”, explicou a pediatra.

Edmara acrescentou que o leite materno auxilia no fortalecimento do sistema imunológico e consequentemente previne doenças e alergias. Há evidências sugerindo que o aleitamento materno apresenta benefícios futuros para a saúde da criança, diminuindo o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes. Ele também é importante porque fortalece o vínculo entre mãe e filho. Para as mães, a amamentação ainda é benéfica porque agiliza a involução uterina, auxilia na perda de peso e na normalização da produção hormonal. Após os seis meses os pediatras recomendam que a mãe continue amamentando até os dois anos, entretanto, outros alimentos devem ser introduzidos na dieta da criança, de acordo com as etapas do desenvolvimento infantil.

O encontro também foi um momento para as mães compartilharem dúvidas e experiências sobre o ato de amamentar. Mãe de Luiz Gustavo, cinco anos, e dos gêmeos Matheus e Guilherme, de três meses, a manicure Tatiane Machado de Souza passou por momentos de muita preocupação com os bebês, mas mesmo assim não deixou de amamentar. “Com menos de um mês de vida eles tiveram que passar por cirurgias do aparelho digestivo. Algumas pessoas falavam que meu leite era insuficiente para amamentar os dois, tive mastite (inflamação no tecido das mamas). Mas com muita fé e apoio do marido continuei amamentando. Meu primogênito mamou no peito até os quatro anos, e é uma criança muito saudável e inteligente. Quero poder fazer o mesmo com os gêmeos”, comentou Tatiane.

Mãe de primeira viagem, Beatriz Alves Costa, 16 anos, ficou preocupada se conseguiria amamentar o pequeno Enzo Gabriell, de dois meses. “Ele nasceu de 35 semanas, mas assim que veio ao mundo já dei o peito para ele. Nos primeiros dias minhas mamas doíam, estava nervosa com a situação, mas tinha consciência de era importante fortalecê-lo com o meu leite. Agora está tudo bem. Aprendi algumas técnicas e poder amamentar meu bebê está sendo maravilhoso”, relatou Beatriz.

Ao final do encontro, as lactantes ganharam lembrança e participaram de um sorteio de roupinhas para seus filhos. Elas também ganharam um café da tarde.

O trabalho realizado pela administração municipal em relação ao aleitamento materno envolve diversos profissionais de saúde, como pediatra, fonoaudióloga, dentista, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, agente comunitário. Em caso de dúvidas, mãe, procure a UBS mais próxima de sua residência. Seu filho deve ser movido a leite materno!